segunda-feira, 24 de março de 2014

Solenidade da Anunciação do Senhor


Reconheça o mundo inteiro, ter chegado a salvação: cessa o julgo do pecado, aparece a Redenção.
Já se cumpre a profecia: uma virgem dá à luz; Gabriel vem a Maria, anuncia-lhe Jesus.
Do Espírito concede a que nele acreditou, e O que não cabe no mundo no seu seio se encerrou. 
Hoje celebramos as vésperas da Solenidade da Anunciação do Senhor, celebração da encarnação do amor em nossa história, em nossas vidas. Com esta Solenidade desejo iniciar uma nova etapa em nosso Site Franciscano, agora com o título “Espiritualidade e Mística Franciscana”, no desejo de partilhar um pouco da alegria franciscana, do amor de Francisco pelo mistério da Encarnação. Uma Espiritualidade e uma Mística que é sempre atual e revolucionária, pois como em todos os tempos, também hoje, temos muitos irmãos e irmãs, que pela ação do Espirito Santo, respondem generosamente à vontade de Deus com o seu SIM.
Para sermos fiéis ao nosso SIM, como irmãos e em fraternidade, somos convidados a conhecer e a aprofundar nossa Espiritualidade e a nossa Mística Franciscana. Hoje nossa sociedade deseja evangelizadores com uma autêntica espiritualidade e podemos dizer que muitos conhecem um pouco da Espiritualidade Franciscana, temos um terreno muito fértil, e que com um pouco de ousadia e coragem podemos pedir a graça de transformar o pouco que conhecemos, ou entendemos, em práticas e gestos concretos de amor e solidariedade. Com a nossa prática pessoal e de fraternidade, poderemos testemunhar com as nossas próprias palavras a com a nossa própria experiência, a mística do Amor, que se encarna em nossa vida concreta, em nossa história.
Que Maria Imaculada interceda por nós,
Peregrino Franciscano, Paz e Bem !
http://peregrinofranciscano.com/author/totustuusvirgomaria/

sábado, 15 de março de 2014

Frei Alberto: O tempo da Quaresma


Ter-se-á sempre em vista que a Quaresma constituía preparação para o Tríduo pascal da Paixão-Morte, Sepultura e Ressurreição do Senhor Jesus, celebrado de Quinta-feira à noite até o Domingo da Ressurreição.
A Quarta-feira de Cinzas abre este tempo de conversão e de penitência, fazendo a proposta da observância quaresmal da oração, do jejum e da esmola.
Jesus é o modelo da vida de penitência dos cristãos. O Jesus que jejua, o Jesus que se dedica à oração, deve ser visto à luz do Cristo transfigurado. Toda a caminhada da conversão dos cristãos só tem sentido à luz da ressurreição pregustada no Tabor.
A partir do 3º domingo temos uma diversificação, conforme os ciclos litúrgicos dos Anos A, B e C.
O ano litúrgico A, que estamos vivendo neste 2014, apresenta a temática batismal. O batismo será revivido no Tríduo pascal e especialmente na Vigília. Se isso é verdade todos os anos, vem tematizado no Ano A. Utilizam-se os Evangelhos de São João. No 3º Domingo: o poço da samaritana; no 4º Domingo: o cego de nascença junto à piscina de Siloé. No 5º Domingo: a ressurreição de Lázaro. As leituras do Antigo Testamento, em harmonia com os evangelhos, apresentam os grandes lances da história da salvação. As leituras do Apóstolo realçam também a temática batismal.
Tudo isso pode acontecer cada ano com o Povo de Deus, a Igreja, no Tríduo pascal. As condições são a conversão, a renovação da aliança batismal em Cristo Jesus.
AS LINHAS FORÇAS DA QUARESMA
A Quaresma recebe toda a sua força de inspiração da Vigília pascal, desdobrada no Tríduo pascal da Paixão-Morte, Sepultura e Ressurreição de Jesus Cristo.
Trata-se da preparação para a Festa da Páscoa do Cristo total, isto é, de Jesus Cristo e dos cristãos. Esta vida nova em Cristo é que chamamos de mistério pascal.
A páscoa-fato, celebrada pela Igreja, movimenta-se em três níveis: a páscoa-fato, celebrada pela Igreja, movimenta-se em três níveis: a páscoa-fonte, a Paixão-Morte, Sepultura e Ressurreição de Jesus Cristo; a páscoa participada pelos cristãos, acontecida no batismo; e a renovação da páscoa dos cristãos em Cristo no hoje pela renovação de vida, na conversão ou penitência e no compromisso renovado.
Tudo isso torna-se sacramental na páscoa-rito, na celebração da Vigília maior, desdobrada no Tríduo pascal.
Compreendemos que a celebração da Páscoa é essencialmente uma festa batismal. Dela brotam duas linhas-força:
A primeira: A dimensão batismal. Nesta dimensão podemos realçar dois aspectos. A Páscoa é a festa da celebração do batismo daqueles e daquelas que se prepararam durante a Quaresma. Hoje, esta realidade está tornando-se sempre mais presente. Os catecúmenos caminharam com a Igreja; a comunidade tornou-se catecúmena com os que se preparam para o batismo. A Igreja gera novos filhos na fé. Mas enquanto ela se torna catecúmena, os cristãos se preparam para renovar os compromissos do próprio batismo. Assim, estamos na segunda linha-força da Quaresma: a penitência ou a prática da conversão para viver o batismo ou para renovar as promessas do batismo.
Os cristãos já batizados têm consciência de que ainda não estão na plenitude do ideal cristãos, que é o próprio Cristo Jesus. Todo cristão, mesmo batizado, sabe que o processo de sua conversão não chegou ao fim. Ele é um caminhante, consciente do já presente do ainda não. Embora justificado e santificado pelo batismo e pela fé, encontra-se ainda a caminho. Além disso, ele tem consciência de que muitas vezes se torna infiel à aliança batismal, à morte libertadora de Jesus Cristo, afastando-se ou negando totalmente sua vocação e missão de batizado. Ou, então, torna-se infiel aos compromissos batismais, não correspondendo devidamente à proposta do amor de Deus em Jesus Cristo. Daí o sentido da penitência quaresmal para todos. Será preparação para retomar os compromissos do batismo ou para fortifica-los. Esta experiência de reconciliação oferecida pela misericórdia de Deus em Jesus Cristo constitui, por sua vez, outra experiência pascal celebrada sacramentalmente na Páscoa.

Adaptação: BECKHÄUSER, Frei Alberto. Viver o Ano Litúrgico: Reflexões para os domingos e solenidades. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

domingo, 19 de janeiro de 2014

Como Concepcionistas, tornamo-nos escravas do Senhor como Maria, proclamando em atitude contemplativa, a soberania absoluta de Deus 

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Jornal da Diocese- edição do mês de novembro

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Uma aspiração secreta:


   

   Das profundezas da humanidade sobe uma aspiração secreta. Presos aos ritmos anônimos dos programas e dos horários, muitos dos nossos contemporâneos têm implicitamente o desejo de uma realidade essencial, de uma vida interior.
Nada conduz mais à comunhão com o Deus vivo do que uma oração em comum meditativa, com esse ponto alto da oração que é o cântico, que se prolonga e que continua no silêncio do coração quando já nos encontramos sózinhos. Quando o mistério de Deus se torna perceptível pela beleza simples dos símbolos, quando ele não é sufocado por uma sobrecarga de palavras, então a oração em comum longe de se destilar na monotonia e no tédio traz a alegria do céu à terra.

Para numerosos cristãos ao longo dos séculos algumas palavras retomadas uma e outra vez, até ao infinito, foram um caminho de contemplação. Quando estas palavras se cantam talvez penetrem ainda mais até às profundezas do ser humano.

Para celebrar uma ampla oração em comum bastam algumas pessoas e já o coração se dilata num encontro com Cristo. E a universalidade da comunhão pode deixar-se pressentir quando jovens se juntam, pelo menos uma vez por semana, à oração da comunidade local que reune todas as gerações, das crianças às pessoas de idade.

A oração é uma força serena que trabalha o ser humano, transformando-o, culltivando-o, não o deixando fechar os olhos face ao mal, às guerras, a tudo o que ameaça os inocentes na terra. Da oração tiram-se forças visando outras lutas, visando transformar a condição humana e tornar a terra habitável.

Quem caminha seguindo a Cristo mantém-se simultaneamente perto dos outros e perto de Deus, não separa oração e solidariedade.

Irmão Roger, de Taizé


Ordem da Imaculada Conceição - Monjas Concepcionistas - Ave Maria Puríssima!
O Mosteiro Monte Sião da Imaculada Conceição foi fundado em 25 de março de 1988 na cidade de Jataí/ GO. Este mosteiro é um dos 19 existentes no Brasil, da Ordem da Imaculada Conceição, cuja fundadora da Ordem é Santa Beatriz da Silva.
e-mail:falemosteiro@yahoo.com.br